SAD – Serviço de Atendimento Domiciliar

Serviço de Atenção domiciliar no município de Três Lagoas MS

Descrição


O Serviço de Atenção Domiciliar no município de Três Lagoas MS está integrado ao SUS e possui grande importância dentro do sistema, representa mais um ponto de atenção nessa grande Rede de Atenção à Saúde que é ofertada à população. Dentre os principais benefícios, a redução das taxas de reintegrações, redução no tempo de internação, redução pela procura dos serviços de pronto atendimento e aumento na rotatividade dos leitos hospitalares, além de outros.

O perfil dos pacientes do SAD, na grande maioria, são pacientes com sequelas graves, que sofreram traumas, como raquimedular; pacientes que sofreram acidente vascular encefálico (AVE), pacientes com doenças neurodegenerativas, pacientes com demências, pacientes com neoplasias; pacientes em cuidados paliativos; pacientes pós covid-19 com sequelas motoras e respiratórias; pacientes em desnutrição, compreendendo pacientes com deficiências de várias origens, com perdas de suas funções motoras, fisiológicas e/ou sua capacidade cognitiva.

O SAD será referência em atenção domiciliar para uma população definida e se relacionará com os demais serviços de saúde que compõem a RAS, em especial com a atenção básica. A EMAD realizará atendimento, no mínimo, 1 (uma) vez por semana a cada usuário e/ou conforme a necessidade de acompanhamento e a EMAP será acionada conforme avaliação da equipe para prestação de atendimento de apoio. Durante o período em que o usuário estiver sob os cuidados do SAD, a equipe de atenção básica de sua referência deverá compartilhar o cuidado, participando na elaboração do Projeto Terapêutico Singular (PTS) daquele usuário. O SAD deverá articular-se com os outros serviços da RAS, principalmente hospitais, serviços de urgência e Atenção Básica, buscando evitar demanda direta dos usuários.

A admissão do usuário ao SAD exigirá a sua prévia concordância e de seu familiar ou, na inexistência de familiar, de seu cuidador, com assinatura de termo de esclarecimento e reponsabilidade.

Modalidades da atenção domiciliar (AD1 – AD2 – AD3)

A modalidade AD1 destina-se aos usuários que possuam problemas de saúde controlados/compensados e com dificuldade ou impossibilidade física de locomoção até uma unidade de saúde; necessitem de cuidados de menor complexidade, incluídos os de recuperação nutricional, de menor frequência, com menor necessidade de recursos de saúde e dentro da capacidade de atendimento das Unidades Básicas de Saúde (UBS). A prestação da assistência à saúde nessa modalidade é de responsabilidade das equipes de atenção básica (UBS/ESF), por meio de visitas regulares em domicílio, no mínimo, uma vez por mês. Essas equipes são apoiadas pelos Núcleos de Apoio à Saúde da Família e ambulatórios de especialidades e de reabilitação (BRASIL, 2016).

A modalidade AD2 destina-se aos usuários que possuam problemas de saúde e dificuldade ou impossibilidade física de locomoção até uma unidade de saúde e que necessitem de maior frequência de cuidado, recursos de saúde e acompanhamento contínuo, podendo ser oriundos de diferentes serviços da RAS. A inclusão para cuidados na modalidade AD2 será baseada na análise da necessidade de saúde do usuário, tomando-se como base as situações tais como usuários com demanda por procedimentos de maior complexidade, que podem ser realizados no domicílio, tais como: curativos complexos e drenagem de abscesso, entre outros; dependência de monitoramento frequente de sinais vitais; necessidade frequente de exames de laboratório de menor complexidade; adaptação do usuário e/ou cuidador ao uso do dispositivo de traqueostomia; adaptação do usuário ao uso de órteses/próteses; adaptação de usuários ao uso de sondas e ostomias; acompanhamento domiciliar em pós-operatório; reabilitação de pessoas com deficiência permanente ou transitória, que necessitem de atendimento contínuo, até apresentarem condições de frequentarem outros serviços de reabilitação; uso de aspirador de vias aéreas para higiene brônquica; acompanhamento de ganho ponderal de recém-nascidos de baixo peso; necessidade de atenção nutricional permanente ou transitória; necessidade de cuidados paliativos e necessidade de medicação endovenosa, muscular ou subcutânea, por tempo pré-estabelecido (BRASIL, 2016).

A modalidade AD3 destina-se aos usuários que possuam problemas de saúde e dificuldade ou impossibilidade física de locomoção até uma unidade de saúde, com necessidade de maior frequência de cuidado, recursos de saúde, acompanhamento contínuo e uso de equipamentos, podendo ser oriundos de diferentes serviços da rede de atenção à saúde. Para que o usuário seja incluído para cuidados na modalidade AD3, é necessário que se verifique a existência de pelo menos uma das situações admitidas como critério de inclusão para cuidados na modalidade AD2; quando necessitar de cuidado multiprofissional mais frequente, uso de equipamento(s) ou agregação de procedimento(s) de maior complexidade (por exemplo, ventilação mecânica, paracentese de repetição, nutrição parenteral), usualmente demandando períodos maiores de acompanhamento domiciliar (BRASIL, 2016). Nas modalidades AD2 e AD3, deve estar garantido, se necessário, transporte sanitário e retaguarda para as unidades assistenciais de funcionamento 24 horas/dia, definidas previamente como referência para o usuário, nos casos de intercorrências. O atendimento aos usuários elegíveis nas modalidades AD2 e AD3 é de responsabilidade do SAD, já na modalidade AD1, a responsabilidade é da equipe da unidade de saúde/ ESF.

Será inelegível para a AD o usuário que apresentar pelo menos uma das seguintes situações: necessidade de monitorização contínua; necessidade de assistência contínua de enfermagem; necessidade de propedêutica complementar, com demanda potencial para a realização de vários procedimentos diagnósticos, em sequência, com urgência; necessidade de tratamento cirúrgico em caráter de urgência; ou necessidade de uso de ventilação mecânica invasiva, nos casos em que a equipe não estiver apta a realizar tal procedimento (Portaria nº 825, 2016, artº 14).

Nas três modalidades de AD, as equipes responsáveis pela assistência têm como atribuição: trabalhar em equipe multiprofissional integrada à RAS; identificar, orientar e capacitar o(s) cuidador(es) do usuário em atendimento, envolvendo-o(s) na realização de cuidados, respeitando seus limites e potencialidades, considerando-o(s) como sujeito(s) do processo; acolher demanda de dúvidas e queixas dos usuários, familiares ou cuidadores; promover espaços de cuidado e de trocas de experiências para cuidadores e familiares; utilizar linguagem acessível, considerando o contexto; pactuar fluxos para atestado de óbito, devendo ser preferencialmente emitido por médico da EMAD ou da Equipe de Atenção Básica do respectivo território; articular, com os demais estabelecimentos da RAS, fluxos para admissão e alta dos usuários em AD, por meio de ações como busca ativa e reuniões periódicas; e participar dos processos de educação permanente e capacitações pertinentes. (Portaria nº 825, 2016, artº 7).

O SAD favorece o sistema de saúde no processo de reestruturação da atenção básica, conforme os princípios do SUS. Nesta modalidade a família e o cuidador são considerados unidade de cuidado, como sujeitos envolvidos no cuidado, a equipe presta a assistência, reabilita, capacita e monitora o autocuidado.

A atuação das equipes multiprofissionais com enfoque interdisciplinar visa proporcionar resultados positivos na vida destas pessoas, possibilitando o cuidado compartilhado, humanizado e integral entre a equipe, paciente, família e cuidador; tornando-se muito mais resolutivo e eficaz.

Formulário de Solicitação


AVISO – Esse formulário é exclusivo para uso de profissionais de saúde que tem por objetivo solicitar atendimento da


SAD. Caso não seja um agente autorizado, sansões legais podem ser acionadas em casos e envio fraudulento ou que onere o serviço.

Esse formulário coleta, por questão de segurança, dados do IP do computador ou smartphone a qual está sendo acessado e, por isso, caso o envio seja mal intencionado será possível identificar a sua origem.

ACESSAR

Atendimento


Endereço: Rua Eurydice Chagas Cruz 485 – Interlagos


Horário: das 7h às 17h


Das 8h às 11h e das 13h às 16h para:

Atendimentos, pessoalmente de pacientes, familiares/cuidadores do SAD e atendimento ao público em geral.

Para questões referentes ao atendimento dos usuários sobre: Oxigenoterapia Domiciliar Prolongada (ODP), isto é, uso de oxigênio no domicílio, informações sobre materiais e insumos entre outros.


Telefone:

67 99103-4743


Equipe de atendimento


Administrativo

Fábia Muniz do Nascimento


Nutricionista/Coordenadora

Sabrina Kaely Vital Machiavelli


Médicos

Dr Fernando Cezar Fidelis

Dr Ricardo Hatakeyama


Equipe de enfermagem

Telma Cristina Vieira dos Santos – enfermeira RT

Técnicos de Enfermagem

Fabiana Teixeira Tosta

Felipe da Silva Santos

Caio Vinícios dos Santos Moreira

Fábio Cardoso da Silva


Fisioterapeutas

Gisele Almeida da Silva

Larissa Pereira e Silva

Taynara Oliveira Silva

Renata Alves Moreira


Assistente Social

Luciana Lazarine Cardoso


Psicólogo

Luís Carlos de Souza


Fonoaudióloga

Caroline da Silva Pereira

TOP
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support